Área Acadêmica
Política de Ensino

As Políticas para o Ensino de Graduação Tecnológica da Faculdade de Tecnologia do SENAI Campo Grande, estimulam a inquietação, o querer aprender, a busca de novas idéias e métodos que comprometem o aluno com o fortalecimento e o desenvolvimento pleno e sustentável do setor industrial do Estado de Mato Grosso do Sul. Considerando que o conhecimento é dinâmico, plural, coletivo e transitório, procura-se proporcionar aos alunos, além de uma excelente formação profissional, uma formação que visa à integralidade do homem, considerando-se as práticas sociais democráticas, o respeito à identidade individual e coletiva, a construção da solidariedade, o respeito ao ambiente natural e, sobretudo, busca-se uma formação ética e cidadã.

Desse modo as políticas para o ensino de graduação da Faculdade de Tecnologia do SENAI Campo Grande são articuladas com o objetivo da formação para o trabalho, científico-tecnológica e ética dos alunos. Para atingir os pressupostos da Política para o Ensino, a operacionalização das atividades didáticas está alicerçada no arcabouço de características, diretrizes, normas e procedimentos descritos no PDI, PPI, PPC, Regimento Interno da Faculdade de Tecnologia SENAI, Regimento da CPA, Regulamento da Biblioteca e Regimento de TCC.

Diretrizes da Política de Ensino de Graduação

As principais diretrizes da Política de Ensino da Faculdade de Tecnologia do SENAI são:

- Ensino modular; 
- Avaliação baseada em competências; 
- Integração entre teoria e prática por meio de estudos de casos; 
- Integração com a Pesquisa Tecnológica e a Extensão; 
- Utilização de Projeto Integrador visando à interdisciplinaridade e a integração dos temas abordados nos módulos; 
- Capacitação continuada dos docentes na metodologia de formação com base em competência do SENAI.

Cabe enfatizar que o arcabouço das políticas de ensino, estará sempre em constante processo de reflexão, em resposta ao permanente processo de avaliação da instituição e suas respectivas dimensões. Este mecanismo de avaliação, atualização e aprimoramento das políticas de ensino será subsidiado pelos instrumentos de avaliação e pela metodologia do Balanced Scorecard (BSC) utilizada pelo SENAI. Desse modo será obtido o alinhamento da gestão da Faculdade com a missão, visão, valores, planejamento e objetivos estratégicos da Educação Superior de Tecnologia, de forma que os indicadores de desempenho do BSC indiquem e monitorem o alcance e a qualidade da política para a educação da Faculdade de Tecnologia SENAI, sempre sobre a ótica da satisfação do cliente, do desempenho operacional, do desempenho financeiro e do clima organizacional.

Política de Pós-graduação (latu sensu)

Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu, disponibilizados pela Faculdade de Tecnologia SENAI, são voltados às expectativas de aprimoramento profissional e possuem caráter de educação continuada, direcionada às áreas tecnológicas dos profissionais inseridos no mercado de trabalho do setor industrial.

A estruturação pedagógica dos cursos e a Política Institucional para a Pós-Graduação da Faculdade de Tecnologia visam atender a todas as exigências da Resolução CNE/CES nº 1, de 8 de junho de 2007. Desse modo, os cursos de especialização têm um formato semelhante ao dos cursos tecnológicos ofertados pela Instituição, com aulas, seminários, conferências, cases e trabalhos integradores de pesquisa sobre temas afins. Os procedimentos pedagógicos, conteúdos, avaliação e demais requisitos são abordados no projeto pedagógico do curso, aprovado pelo Conselho Superior da Faculdade de Tecnologia SENAI.

Diretrizes da Política de Ensino de Pós-Graduação (Lato Sensu)

As principais diretrizes da Política Institucional para a Pós-Graduação lato sensu da Faculdade de Tecnologia do SENAI são:

- Ensino modular; 
- Carga horária mínima de 360 horas, além das atividades de estudo e elaboração de monografia; 
- Aberto apenas aos candidatos diplomados em cursos superiores; 
- Corpo docente constituído por professores especialistas ou de reconhecida capacidade técnico-profissional, com pelo menos 50% do quadro docente portador de título de mestre ou doutor, obtido em programas reconhecidos pelo MEC. 
- Defesa presencial individual de monografia ou trabalho de conclusão de curso; 
- Avaliação baseada em competências; 
- Integração entre teoria e prática por meio de estudos de casos; 
- Integração com a Pesquisa Tecnológica e a Extensão; 
- Utilização de Projeto Integrador visando à interdisciplinaridade e a integração dos temas abordados nos módulos; e 
- Capacitação continuada dos docentes na metodologia de formação com base em competência do SENAI.